VERMICULITA

A vermiculita é um produto de alteração relativamente comum. Possui uma série de aplicações industriais bastante importantes, que se baseiam na propriedade da vermiculita de expandir (“exfoliar”) quando aquecida, o que se deve à água contida entre as folhas do mineral. Famosas jazidas de vermiculita são as minas de Palabora (Austrália) e de Libby (USA). “Vermiculita” na realidade não é um mineral, mas apenas um termo genérico aplicado a um grupo de filosilicatos do Grupo das Esmectitas formados por alteração da biotita ou flogopita. A individualização das espécies minerais do grupo não é possível ao microscópio petrográfico. Se ocorrer em grãos muito finos (tamanho argila), a vermiculita não pode ser reconhecida ao microscópio petrográfico. Há cinco variedades de vermiculita (com Fe, com Cu, com Cr, branca e do rio Vaal, na África do Sul). Vermiculita impura pode conter anfibólios fibrosos (“asbestos”) como tremolita, winchita e richterita, que são considerados contaminantes e impedem o uso comercial da vermiculita em função dos problemas de saúde que podem causar. Nos USA, vermiculita contaminada com asbesto foi vendida em grandes volumes entre 1920 e 1990 sob o nome comercial “zonolita”, proveniente da mina de Zonolite Mountain, em Libby (Montana). O local é considerado o pior caso de exposição de uma comunidade a uma substância tóxica na história dos USA. A vermiculita forma-se como produto de alteração de biotita e flogopita, por intemperismo ou hidrotermalismo. Vermiculitas em volumes comerciais ocorrem em rochas básicas e ultrabásicas, onde se formam por alteração de flogopita/biotita, clorita ou piroxênios. A alteração pode se dar por processos intempéricos, hidrotermais ou pela percolação de águas subterrâneas. Quando forma-se pela alteração de micas pode formar pseudomorfoses perfeitas. Pode ocorrer em carbonatitos e mármores e, em alguns casos, vermiculita naturalmente expandida ocorre em rochas vulcânicas. Ocorre nos solos como um dos constituintes da fração argilosa. Em rochas básicas associa-se a coríndon (inclusive variedade rubi), apatita, serpentina, clorita e talco, também a pargasita, diopsídio cromífero, antofilita, anortita e zeolitas (stellerita, estilbita). Forma minerais interestratificados com clorita e biotita

- Sistema Cristalino: Monoclínica prismática

- Cor: Incolor, branca, amarela, verde, bronze a bronzeamarelada, pode ser dourada.

- Hábitos: Hábitos “micáceos”: palhetas, lamelas, folhas. Forma placas pseudohexagonais.

- Clivagem: {001} perfeita, relicta

- Tenacidade: Flexível

- Maclas: Não

- Fratura: Irregular

- Dureza Mohs: 1,5 – 2

- Partição; Não

- Traço: Incolor a amarelado

- Brilho: Baço, resinoso, sedoso

- Diafaneidade: Transparente

- Densidade (g/cm3 ): 2,2 – 2,6

Copyright © 2023 Luís Fernando Silva. Todos os direitos reservados.